fbpx
728 x 90
728 x 90

Alexander Kapp: o primeiro andragogo

Alexander Kapp: o primeiro andragogo
Alexander Kapp (Foto: Timetoast)

Neste artigo você conhecerá Alexander Kapp, um educador alemão (ensino médio) que cunhou o termo “Andragogia” (andragogik) no ano de 1833.

Alexander Kapp, professor alemão nascido em Soest (1799), introduziu o termo Andragogia ao mundo em 1833. A primeira vez que se usa o termo foi em seu livro chamado ‘Platon’s Erziehungslehre‘ (Ideias Educacionais de Platão). Nesse livro, Kapp descreve a necessidade de aprender ao longo da vida e que para isso se é preciso de muita auto-reflexão e ter objetivos claros de aprendizado (educação versus formação).

Alexander Kapp

Em sua família, formada por 11 irmãos, muitos deles eram educadores, filósofos e historiadores. Kapp era um professor de ensino médio, em uma pequena cidade alemã e nunca foi um grande destaque na história da educação de adultos. Inclusive, muitos pesquisadores questionavam se ele realmente foi o criador do termo Andragogia, algo que foi confirmado com a intensa pesquisa do educador holandês Ger van  Enckevor, que dedicou-se num estudo exaustivo sobre a origem do termo e confirmou que o primeiro a utilizar foi mesmo Alexander no livro acima mencionado.

É importante que você saiba que Alexander Kapp não desenvolve uma teoria, nem pressupostos andragógicos, mas justifica a prática da Andragogia como a necessidade da educação dos adultos de uma maneira diferente ao método convencional que já se aplicava na época. Em seu livro, difere a Andragogia da Pedagogia Social, nome que ele dá ao modelo pedagógico de buscar envolver os aprendizes em sala de aula.

As pesquisas apontam que já existiam ações envolvendo a educação de adultos no século XIX, e em nenhum momento podemos considerar Kapp como um educador pioneiro. Na Europa (sociedade de leituras, ensino pelas igrejas, movimento Kolping, entre outros), assim como na América (Instituto Franklin, na Filadélfia, Instituto Lowell em Boston, o movimento Lyceum, as bibliotecas da cidade, museus, sociedades agrícolas, etc.), era possível encontrar iniciativas entre 1820-1840, mas somente Alexander Kapp deu um ‘nome’ para a prática de ensinar adultos.

O método convencional que Alexander Kapp questionava, não era recente e já era aplicado desde o século VII, quando surgiram na Europa as escolas para o ensino de crianças e adolescentes, que tinham como objetivo preparar jovens adultos para o serviço religioso. Nessas escolas europeias se ensinava gramática, física e outras disciplinas, mas com foco em estudantes que ainda não se tornaram adultos.

Entendeu-se por muito tempo que ao atingir um ciclo da vida, o ser humano não precisava mais frequentar uma sala de aula, pois já estava preparado para enfrentar uma atividade profissional e seguir uma carreira, pois possuia experiência e se valorizava os conceitos práticos e não mais os teóricos. É algo que se você pesquisar, perceberá que há um ‘vão’ enorme na história da humanidade, onde não se falava sobre a formação educacional do adulto.

Alexander Kapp também faz referência a educação empresarial, inclusive citando como isso ajuda na evolução dos profissionais (deu exemplos: soldado, professor, orador e outros) e que para ensinar esse grupo de pessoas, não se deve ser só através do conhecimento dos professores e sim, da auto-reflexão e da experiência de vida dos participantes.

Nessa época o professor alemão conseguiu aplicar o conceito da Andragogia, porém foi muito contestado e logo caiu em desuso. O conceito só reapareceu em 1921, quando Eugen Rosenstock-Huessy (pensador, historiador e linguista alemão) argumentou em um artigo que “a educação de adultos é necessária para professores especiais, e que seus métodos e filosofia deveriam ser aplicados“.

Se você tiver a oportunidade de ler o primeiro livro de Alexander Kapp, o faça, é incrível. Atualmente, ele se encontra apenas disponível no idioma alemão e é de difícil acesso. Algumas bibliotecas dos Estados Unidos e da Alemanha possuem sua versão física.

Deixo aqui algumas frases incríveis e provocadoras retiradas do livro:

“Existem educadores mais agressivos, outros humildes. Os agressivos começam a aula com violência e autoritarismo, como se os alunos tivessem feito algo de errado.” (pág. 271)

“O educador que transmite alegria, só de abrir a boca estimula os aprendizes. Aquele que faz o contrário, quanto mais repudia a turma, melhor ele parece falar e faz o aprendiz odiar os discursos.” (pág. 277)

“O discurso do educador é como uma pintura, podendo ser tão encantador quanto suas cores e misturas.” (pág. 281)

Outros livros interessantes de Kapp, são: Educação Estatal de Aristóteles (1837) e Fragmentos de uma Nova Edição da Pedagogia (1848). Ambos são encontrados apenas no idioma alemão e em formato físico, em bibliotecas alemãs.

Se quiser saber mais sobre Alexander Kapp e outros andragogos, temos um curso chamado Andragogia – Educação de Adultos, que aborda a história da educação de adultos, as teorias e práticas andragógicas.


Para referenciar o artigo, utilizar:

– Beck, C. (2015). Alexander Kapp: o primeiro andragogo. Andragogia Brasil. Disponível em: https://andragogiabrasil.com.br/alexander-kapp/

Caio Beck
ADMINISTRATOR
AUTOR

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios.

Cancel reply