728 x 90
728 x 90

A Andragogia é a Panaceia da educação?

A Andragogia é a Panaceia da educação?

Muitas pessoas me perguntam se a Andragogia é a solução para a educação brasileira. Neste artigo vamos gerar algumas reflexões sobre essa questão.

Como sempre, inicio o artigo trazendo a explicação do título. Panaceia é uma palavra com origem no grego panákeia, sendo que pan significa “todo” e ákos significa “remédio”. Desta forma, a palavra indica uma substância que cura todas as doenças. Vale citar também que na mitologia grega, Panaceia era a deusa da cura, irmã de Hígia, deusa da saúde e higiene.

É comum receber de meus alunos a seguinte pergunta: Caio, você acha que a Andragogia é a solução para a educação brasileira? Vou compartilhar com vocês, o que sempre respondo para eles. A Andragogia, por mais que seja considerada uma solução por muitos autores, pensadores, filósofos, etc, não pode ser a cura para todos os males. Você pode encará-la como uma ciência, uma arte, uma metodologia, uma ferramenta, ou até mesmo como um suporte aos educadores de adultos.

“E se o MEC hoje, mudasse a metodologia do ensino superior, substituindo as práticas pedagógicas pelas andragógicas, tudo se resolveria?”Acredito que o que falta para nós, educadores, assim como para as instituições de ensino e até mesmo aos aprendizes, é mudar a visão sobre como ensinamos e como aprendemos. Não é porque usamos a pedagogia como base de ensino que os resultados são insatisfatórios, assim como não é usando a Andragogia, a Heutagogia, a Hebegogia, a Cybergogia, a Gerontagogia ou qualquer outra ciência agógica que as coisas irão mudar por aqui.

Agora, o que tenho que defender é que com as práticas andragógicas os educadores se sentem mais preparados a entender e desenvolver o aprendiz adulto, isso é fato. Pense em recursos didáticos, técnicas e ferramentas educacionais, que te permitem utilizar (ou não) quando identificar tal necessidade. A grande questão é que falta aos nossos professores, acesso, conhecimento e força de vontade. Quando escrevo aqui sobre métodos de ensino, não me recordo de algum que seja recente, criado nos últimos anos. É coisa antiga, que muitos educadores já poderiam aplicar a décadas, séculos… portanto, o problema não está no método e sim em quem deveria aplicá-lo.

Quando compartilhei com vocês a pesquisa que mostrava que nenhum jovem queria se tornar professor, ou quando trago estatísticas que apontam a educação brasileira sempre nas últimas posições, não podemos culpar um método de ensino, até porque sabemos que o professor, por mais que receba cartilhas, planos de aulas pré-formatados e que o modelo acadêmico seja engessado, é ele quem resolve ser o detentor do conhecimento e se posicionar com o aprendizado unilateral.

Você tem os métodos, as ferramentas, as técnicas… mas de que adianta isso se em sala de aula, você (professor) ainda ensina de maneira ‘top-down’? Os exemplos e as referências são com base em suas experiências, de nada adianta. Enquanto formos desinteressantes, não buscarmos envolver a turma, os métodos serão inúteis, sejam eles quais forem. Recentemente em uma palestra um participante ergueu a mão e levantou a seguinte questão: “São os alunos que estão desinteressados, ou os professores que são desinteressantes?”

Me recordo de responder com um exemplo, cujo qual, compartilho com vocês: “Ótima pergunta. Você é casado? Se sim, peço que imagine quando chega em casa, cansado após um dia intenso de trabalho, com fome e com saudade de sua esposa. Você se senta na mesa e percebe que ela preparou uma ótima janta. Assim que você se serve, ela pega na sua mão e começa a contar sobre a ‘novela das 6’, detalha uma briga dos personagens principais, que romperam o relacionamento 3 dias antes do casamento. (‘continue imaginando’, pedi) Durante uns 7, 8 minutos ela resume o capítulo de hoje, trazendo fatos que você desconhece. Cita nomes, casos, intrigas e fatos que você não consegue absorver, pois não assiste a novela, nem o interesse tem.”

Assim como o exemplo dado, apesar de uma brincadeira, encontramos muito isso em sala de aula. Usei o exemplo da novela, mas poderia ter feito o inverso, com o marido contando sobre o jogo de futebol no final de semana. A questão é a referência do professor em pé, diante da turma, falando e expondo aquilo que lhe convém, sem saber se os alunos se interessam pelo tema, ou se no mínimo, conseguem absorver os exemplos e conteúdos aplicados. Precisamos entender que existem alunos que gostam de novelas, mas que existem outros que preferem filmes, seriados, desenhos, etc. Precisamos nos adaptar a isso, pois nossos interesses nos motivam!

Perceba então que não é a metodologia e sim, o que consideramos como princípios educacionais. Temos que quebrar esse conceito de que o professor é detentor de todo o conhecimento, de que o aluno precisa apenas ouvir e ao final da aula ser avaliado. Já existem instituições que nem professor em sala de aula há. Outras que não aplicam avaliações, existem também aquelas onde os alunos compartilham suas experiências e como já trouxe em outro artigo, existem escolas onde os professores aprendem com os alunos. É apenas uma questão de conceitos, de valores, de aceitar mudanças.

Para finalizar esse artigo, quero deixar uma provocação para que possamos refletir sobre como utilizar a Andragogia para melhorar a educação brasileira. Vejo muitos professores dizendo que não recebem instruções, que não sabem o que fazer em caso de turmas heterogêneas, que quando encontram salas cheias não sabem produzir e que desconhecem métodos para melhorar seu desempenho. Como já dizia Clarice Linspector “aquilo que desconheço, é minha melhor parte, pois é aquilo que ainda não sei. Se você não sabe, ótimo, utilize isso como uma oportunidade de renovação.

Se você está lendo um artigo meu pela primeira vez, te convido a conhecer mais sobre os princípios andragógicos voltados para a educação de adultos. Compartilho contigo a minha definição de Andragogia:

É uma ciência/arte de aprender sobre os adultos e utilizar os melhores métodos para ensiná-los. São ‘novos’ caminhos e estratégias de aprendizagem, que podem ser aplicados tanto no mundo empresarial, quanto no acadêmico, ou seja, em qualquer sala de aula.

Caio Beck
ADMINISTRATOR
AUTOR

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios.

Cancel reply