fbpx
728 x 90
728 x 90

Método de Leitura SQ3R

Método de Leitura SQ3R

Você já ouviu falar sobre o método de leitura SQ3R? Foi introduzido por Francis Pleasant Robinson em 1946, através do livro Effective Study.

Você já ouviu falar sobre o Método de Leitura SQ3R, conhecido também como SQRRR? Foi introduzido por Francis Pleasant Robinson, um educador americano, no seu livro Effective Study (1946). O método é dividido em 5 passos:

survey, question, read, recite, review (examinar, questionar, ler, recitar e revisar).

De acordo com o autor, e também confirmado por diversos neurocientistas, o método é muito eficiente para a fixação de um novo conteúdo. Robinson nos apresenta uma forma ordenada e eficaz de ler e estudar qualquer livro, apostila, jornal, artigo, etc.

Sabemos que nossos alunos não são lá aqueles fãs de leituras, certo?! Afinal, é um método passivo de aprendizagem e no Brasil o índice de ‘leitores’ ainda é baixo (pesquisas apontam 4 livros/ano). Então, quem sabe o SQ3R não seja uma solução para mudarmos essa estatística?

Como sempre, em vez de trazer teorias, datas e conceitos não aplicáveis, quero simular contigo uma situação prática. Vamos lá? Imagine que você irá ler um livro de 100 páginas, necessário para alguma avaliação, ou por mera curiosidade e passatempo.

PRIMEIRO PASSO: SURVEY (EXAMINAR/PESQUISAR)

Robinson sugere que você inicie com uma ‘pré-leitura‘, examinando alguns pontos importantes do livro. Vá até o índice e leia os capítulos, folheie-o em busca dos títulos e subtítulos, observe a quantidade de imagens, gráficos, tipo de linguagem e estrutura do texto. Saiba sobre o que se trata a leitura e tome conhecimento prévio do conteúdo.

Se é uma leitura com cálculos, por exemplo, você já tem o primeiro contato com a complexidade, ou até mesmo com a aplicabilidade destes em seu dia a dia. Não é necessário a leitura completa, e sim, apenas o ‘passar dos olhos’, buscando conhecer o campo de conhecimento. Se é a leitura de uma norma técnica, já perceba como o autor se comunica, se utiliza o rodapé, se faz muitas referências internacionais, enfim, qualquer pista que lhe apresente como será a experiência de aprendizagem.

O mesmo acontece com um livro de ficção, onde ao examinar suas páginas, percebe que é uma história que se passa na Idade Média, que não é tão fantasioso (com dragões, orcs e globins) e usa uma linguagem bem compreensível. A ação de examinar não tem o propósito de criar um ‘preconceito’ sobre o tema, e sim, que você se sinta mais próximo e preparado para as páginas que virão a seguir.

SEGUNDO PASSO: QUESTION (QUESTIONAR/PERGUNTAR)

Com isso, seu cérebro irá criar algumas perguntas como: ‘será que é uma leitura tranquila?’, ‘quem são os personagens?’, ‘em que época se passa a história’?, ‘é um livro técnico?’, ‘aquele primeiro título é mesmo o que entendi?’, ‘o que já conheço sobre esse assunto?’, ‘o autor é conhecido?’, ‘posso aplicar esse conceito no meu trabalho?’

Você pode anotar as questões que forem surgindo. Se necessário, force e crie umas 10 questões iniciais! Recentemente fiz isso com um livro de filosofia sobre Sócrates. Me recordo de algumas das questões: ‘quando ele realmente foi condenado?’, ‘qual era seu discípulo mais próximo?’, ‘Sócrates chegou a viver em outro país?’, ‘quantos filhos teve?’… Fui criando várias questões e anotando em um papel. Conforme iniciei a leitura e encontrava as respostas, preenchia no mesmo papel e a fixação foi incrível!

Tanto a leitura prévia dos tópicos, como as questões que se pode criar, são formas de preparar o seu cérebro para o que virá a seguir com a leitura. Se você leu que o capítulo 1 se chama A História de Vida de Sócrates e o capítulo 2 é A Filosofia Socrática, automaticamente você sabe que toda a história pessoal será introduzida neste primeiro momento e que a partir do próximo sua mente já se voltará aos conceitos filosóficos.

Quanto mais questões você elaborar, com mais ‘sede ao pote’ irá encarar a leitura, afinal, o ser adulto gosta de desafios, principalmente quando lhe faz sentido ou esteja relacionado a algum problema real. Como é você que cria as questões, e não um professor ou uma instituição, buscar as respostas não será como uma prova ou uma atividade cansativa. Portanto, crie perguntas, cujas respostas agreguem na sua vida pessoal, profissional, acadêmica, etc.

TERCEIRO PASSO: READ (LER)

O terceiro momento, de acordo com Robinson, é o ato da leitura, que não é simplesmente ler, e sim, procurar respostas para as questões prévias. O ser aprendiz quer um propósito para tudo, seja em sala de aula, numa dinâmica, na própria leitura de um jornal ou em um vídeo que o professor apresente. Se você é educador e não apresenta um propósito na atividade, dificilmente terá o envolvimento de seus aprendizes.

Juntamente da leitura, Robinson nos apresenta algumas dicas sobre sublinhar as informações de destaque, grifar palavras, circular, criar animações, etc., mas a Andragogia nos ensina a respeitar as individualidades e sabemos que nem todos os adultos se comportam da mesma forma, sendo assim, sugiro que se você for uma pessoa que gosta de rabiscar, desenhar, sublinhar, fazer anotações, o faça. Em contrapartida, se você precisa de concentração e foco na leitura, siga por este caminho.

QUARTO PASSO: RECITE (RECITAR)

Além da leitura, o autor apresenta em seu livro que ao absorver o conteúdo, é importante que você recite (verbalize) com suas próprias palavras o que acabou de entender. Fique a vontade para falar em voz alta, teatralizar, interpretar personagens, compartilhar com alguém. O importante é que você o faça. Talvez seja interessante ir até um espelho e observar seus dizeres, ou quem sabe gravar para que assista depois. Lembrando: cada aprendiz se comporta de uma maneira, então, saiba como você ‘prefere aprender’ e fixar um novo conteúdo.

Imaginando que o livro tenha as 100 páginas, você pode criar 4 etapas de recitações. Dividir o livro em partes que te façam sentido, não necessariamente em capítulos. Ex.: (1) o que eu já sabia; (2) o que aprendi e gostei muito; (3) o que li e não achei muito sentido; (4) o que responde minhas perguntas iniciais. Quer outro exemplo? Vamos lá: (1) quem são os personagens; (2) qual é o cenário; (3) o que considerei como o clímax da história; (4) como foi a conclusão.

QUINTO PASSO: REVIEW (REVISAR)

Por fim, além de examinar, questionar, ler e recitar, assim como a maioria dos métodos andragógicos, é importante que você revise todo o processo. Ao finalizar o livro, ou até mesmo um capítulo, é sugerido que faça uma revisão de forma contínua. O que seria isso? Não é um único momento em que você se dedica a relembrar tudo o que foi estudado, vai além disso.
Vamos imaginar que você terminou a leitura em um domingo. Na segunda-feira você pode anotar as principais palavras, expressões, datas, fórmulas e demais mensagens aprendidas durante a leitura. Faça isso em um papel em branco! Anote sem uma ordem, apenas resgate tudo o que venha na memória. No dia seguinte você pode ler novamente as suas questões elaboradas no passo 2 e verificar se as respostas poderiam ser melhoradas. No terceiro dia você folheia o livro em busca dos pontos que mais lhe chamaram a atenção, buscando reler pequenos trechos. Já num outro momento, você foca nos parágrafos mais confusos e relembra como conseguiu interpretar a mensagem transmitida.

Perceba que não há uma regra ou fórmula do sucesso da aprendizagem. São maneiras de auxiliar a fixação do conteúdo, sempre com propósito. Você pode fazer a revisão somente uma semana depois, ou quem sabe em 2 ou 3 dias. Isso depende da sua curva de esquecimento e da necessidade da aprendizagem. Se for um conteúdo mais técnico, você pode criar um cronograma de revisões espaçadas, para que a fixação se torne mais efetiva.

O que Robinson e os demais autores nos apresentam, são formas de ‘driblar’ o rápido esquecimento e a desmotivação pela leitura sem sentido. Abrir um livro e começar a lê-lo, sem saber do que se trata, sem entender sua complexidade e os principais temas, exigirá de ti muito esforço, principalmente se não está acostumado a ler.

Para finalizar o artigo, gosto de reforçar que talvez você tente aplicar o Método de Leitura SQ3R e perceba que algum dos R´s não funciona pra ti. Seja o ato de recitar ou revisar, ou até mesmo o questionamento prévio. Sem problemas! Busque criar seu próprio método, adaptando as dicas do educador americano. O mais importante é que você encontre um propósito na leitura e que atenda suas expectativas e necessidades de aprendizagem.


Para referenciar o artigo, utilizar:

– Beck, C. (2018). Método de Leitura SQ3R. Andragogia Brasil. Disponível em: https://andragogiabrasil.com.br/metodo-de-leitura-sq3r/

1 comentário
Caio Beck
ADMINISTRATOR
AUTOR

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios.

Cancel reply

1 Comentário

  • josé manoel
    fevereiro 14, 2019, 11:38 pm

    boa noite! esse método é muito bom estou gostando mesmo…

    REPLY