SJ Financial II - шаблон joomla Форекс

wrapper

Novidades

Quem atua na educação, sabe que o ser humano é previsível. O adulto, principalmente, possui muitos vícios que em sala de aula podem atrapalhar bastante o desenvolvimento no aprendizado. Veremos nesse texto, algumas dicas para que o educador aplique os conceitos andragógicos e obtenha melhores resultados de sua turma.

O primeiro passo é conhecer quem você está ensinando. Muitas instituições de ensino já utilizam o esquema de enviar com antecedência aos educadores a ficha do aluno ou até mesmo os currículos, para que o professor saiba um pouco de quais são os perfis que ele encontrará em sala de aula. Saber se os alunos estão bem empregados, se possuem experiência no mercado, se alguns deles já vivenciaram alguma situação relacionada a disciplina, dentre outras informações que darão uma base no início da aula.

A pior coisa que tem, é um professor usar exemplos práticos que não estão relacionado com o perfil da turma, pois não será proveitoso e causará o desinteresse geral. Fato é, que o aluno adulto quer ouvir do professor que aquela teoria ou conteúdo que está sendo ensinado em sala de aula, poderá ser aplicado em seu dia-a-dia, seja na vida pessoal, social ou profissional.

Segundo ponto importante é não chegar com um plano de aula determinado e sim, ter opções de ensino. Não vá com um conceito de ensino definido (ou engessado, como muitos chamam) e espere a aula começar para ir modelando a forma com que o conteúdo será aplicado. Já me deparei com vários professores que insistem em uma metodologia e a cada insistência, maior é a recusa do aluno em querer aprender algo.

Podemos comparar essa situação com a área de vendas. Um bom vendedor deve ter 'mil faces', sabendo usar a percepção e identificar o perfil do comprador, para que ele possa ser mais enérgico, persuasivo, colaborativo, competidor, dentre outros. Se você quiser ser sempre um professor com um perfil bem humorado, contando piadas e buscando fazer os alunos rirem, pode ser que tenha pego a turma em um dia ruim, de chuva e trânsito, época de crise ou o próprio perfil dos participantes não é nada sociável, portanto nesse caso, é necessária a adaptação da forma com que o professor irá conduzir a aula. É o famoso "jogo de cintura"!

É importante que ao iniciar a sua aula, o conteúdo esteja claro para os alunos, a fim de evitar que após 1 hora de "falação" as pessoas ainda não entendam a mensagem que você quer transmitir. Seja objetivo, apresente as informações e conhecimentos que serão transmitidos, os principais capítulos e busque despertar o interesse dos alunos logo no início. Essa ação de interesse pode ser despertada a partir do momento em que o aluno se sente desafiado, portanto antes de iniciar as minhas aulas, sempre faço algumas perguntas óbvias relacionadas ao tema principal e que os alunos acreditavam ter a resposta. 

Em um treinamento para a uma empresa no setor de transporte ferroviário, onde a maioria dos participantes ocupavam o cargo de chefia, logo no início da aula apresentei o conteúdo programático do curso e percebendo que não havia despertado a atenção dos alunos, lancei uma pergunta relacionada ao tema principal (Gestão): - Quem de vocês já ouviu falar de Percival Farquhar? O que ele não conseguiu fazer, que o primeiro presidente da empresa de vocês fez e deu certo?

Após a pergunta, vi que alguns olhos se arregalaram, pois ninguém sabia quem era essa pessoa e qual mensagem eu passaria com esse exemplo. Não estava no conteúdo, mas com a história que contei do empresário americano que com 40 anos de antecedência já havia elaborado o que a Companhia Vale do Rio Doce precisava fazer, foi o suficiente para que eu pudesse relacionar o acontecido com todos os temas que seriam abordados no treinamento e então, ter conseguido a atenção dos alunos talvez pelo fato deles terem 'pensado em silêncio': Como eu não sabia disso?

Para fecharmos esse primeiro texto sobre dicas e macetes para conhecer os adultos, o mais importante é explorar as experiências dos aprendizes e fazer com que eles se sintam a vontade em compartilhar. Não seja aquele professor que lança a pergunta e em 2 segundos a responde! Faça perguntas direcionadas, aponte, se aproxime e atraia o aluno para o 'seu time". Perguntas do tipo: "João, sei que você trabalha com recursos humanos. Nos diga, como é na sua empresa a questão de recrutamento e seleção. Aposto que você tem ótimas experiências para compartilhar!"; "Maria, eu vi no seu currículo que já morou e trabalhou fora do país. Para quem nunca foi, nos diga como é lá as entrevistas de emprego. Tem algo que falamos em sala de aula, que lá é diferente?"

O aluno adulto prefere se sentir em uma conversa, do que em um interrogatório, mas não se esqueça, ele quer ter a sensação de que está aprendendo ou ensinando algo. Sempre que fizer uma pergunta, depois que o aluno responder, explique o motivo da questão e trabalhe a resposta dele, assim ele se sentirá valorizado e voltará a participar.

Last modified on Sábado, 09 Abril 2016
Caio Beck

Especialista em Educação de adultos.

E-mail: caiobeck@andragogiabrasil.com.br

Skype: caio.beck

Curta a nossa página!